segunda-feira, 13 de junho de 2011

O Caso de Francis Collins



Francis Collins é uma daquelas raras pessoas que é excepcionalmente brilhante e excepcionalmente estúpida em iguais medidas. Não só ele é um geneticista altamente respeitado - mais conhecido por suas descobertas de genes responsáveis por doenças e por ter dirigido o Projecto Genoma Humano - mas ele também é um cristão evangélico.

Mas suas excentricidades não param por aí. Ele também é um adversário ferrenho do criacionismo. Ele acha que o teísmo e evolução são compatíveis. E que tanto "a fé e como a ciência podem levar-nos a verdade sobre Deus e a criação".

Para mim, ele quer manter uma visão do mundo que acomoda tanto seu currículo científico e suas crenças religiosas, e depois fingir que não existe conflito.

Basta ler alguns dos comentários feitos por ele em um debate com Richard Dawkins na revista Time, em 2006. A ginástica intelectual que ele tem de fazer para sustentar esses pontos de vista conflituantes é de tirar o fôlego.

Collins sobre quando e como Deus começou a evolução:
COLLINS: "Por estar fora da natureza, Deus também está fora do espaço e do tempo. Assim, no momento da criação do universo, Deus também poderia ter activado a evolução, com pleno conhecimento de como ela ia suceder, talvez até incluindo esta nossa conversa. A idéia de que ele poderia prever o futuro e também dar-nos espírito e vontade de realizar nossos próprios desejos torna-se totalmente aceitável. "

 
"Perfeitamente aceitável"? Isso não faz sentido. Se Deus já havia determinado o futuro, no momento da criação, então, por definição, todos nós estamos vivendo vidas predeterminadas, com resultados inevitáveis. Sob essa teoria, a vontade própria ou livre arbítrio do ser humano seria simplesmente uma ilusão.

Uma outra questao seria porquê Deus, na sua infinita sabedoria, poder e amor, iria escolher um processo tão lento e destrutivo como a evolução para trazer a vida. Teríamos de supor que Deus sentou-se com os braços cruzados por cerca de 10 bilhões de anos antes que a vida finalmente começasse e depois esperou por mais 4000000000 anos até que os seres humanos começassem a evoluir.

Collins parece desconcertantemente perturbado por essas questões.

Collins sobre a falta de provas da existência de Deus na evolução:
COLLINS: …não acho que seja o propósito de Deus mostrar a sua intenção absolutamente óbvia para nós. Se lhe convier ser uma divindade que devemos procurar, sem ser forçados, não teria sido sensato para ele usar o mecanismo de evolução, sem indicações óbvias para revelar seu papel na criação?

Muito conveniente. Assim, a falta de provas da existência de Deus é apenas uma parte de seu plano. Se este argumento for levado à sua conclusão lógica, teríamos de argumentar que uma completa ausência de provas para Deus é simplesmente a prova de que ele é muito mais inteligente em esconder a sua existência do que pensávamos.

 
Collins responde à pergunta: "Se Deus criou o mundo, quem criou Deus?"
COLLINS: Meu Deus, não é improvável para mim. Ele não tem necessidade de uma história da criação para si próprio.

Isso é simplesmente muito fácil não é? Certamente Collins ainda não pode fingir que esta é uma resposta adequada de como um Deus infinitamente inteligente e poderoso poderia ter existido no início da criação. Porquê crentes como Collins não sao honestos e admitem que não sabem? O que é tão assustadora quanto a dizer "não sei"? Cientistas fazem isso o tempo todo.
A diferença entre cientistas e religiosos, porém, é que os cientistas usam as lacunas em nosso conhecimento como base para futuras pesquisas. Os religiosos não. Ao invés de tentar aumentar a nossa compreensao, preferem permanecer no conforto da sua certeza infantilmente equivocada e preencher um mistério com outro, afirmando: "Deus fez isso. Mistério resolvido ".

As respostas de Collins mostram todos os sinais de alguém que tenta - e falha espectacularmente - encontrar uma maneira de conectar seu conhecimento científico com suas crenças religiosas. Ele pode ser um cientista brilhante, mas dizer que ele está equivocado seria dar-lhe crédito em demasia.

9 comentários:

  1. Não se deve lançar pérolas aos porcos. Para quem "não tem ouvidos", não se consegue dar explicações ou expor pensamentos que só a fé proporciona.
    Por que criticar quem respeita as diferenças, e consegue viver numa situação tão conflitante?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Ele mentiu para vender livros. Já que esse tema é bem chamativo para religiosos.

      Eliminar

      Eliminar
    3. Ele mentiu para vender livros. Já que esse tema é bem chamativo para religiosos.

      Eliminar

      Eliminar
  2. Caro Felipe,
    Na minha humilde opiniao, conflitante e tentar conectar fe e ciencia, pelo menos como cientista. Nao Custava nada ao F. Collins abster se de tentar explicar o que nao tem explicacao. Evitava certos embarcos. Nao custa dizer no sei...."keep your theology out of my biology"
    Abracos

    ResponderEliminar
  3. Ai ai ai. Nem li essa baboseira até o final, pois só se vê o de sempre...argumentos pífios e intolerância. Quem é o zezinho que escreveu o texto e quem é Francis Collins. Quem você pensa ser pra desdenhar do que outro ser humano acredita ou não? Haja paciência pra tanta falta de iluminação intelectual e espiritual!

    ResponderEliminar
  4. Prezado, você julga baseado numa retórica puramente teórica. Dentro de sua construção pré-fabricada não há espaço para uma argumentação diferente. Tudo está muito bem amarrado e com respostas prontas. É como discutir variações numa receita de bolo. Não há como. O que você ignora em seu processo de conhecimento é exatamente o processo de conhecimento que o o médico vivenciou até tornar-se um Cristão. Ele não era Cristão. Ele tornou-se Cristão. Basta você estudar sua biografia para constatar o que digo. Na receita de bolo do ateísta não há espaço para isso. Mas no processo de construção de formação da convicção de uma pessoa (e particularmente de um cientista, que a princípio não acreditava num Deus, mas que não tinha a rigidez religiosa de um ateu) que não vê a vida baseado apenas em um manual de respostas pré-concebido, há que se respeitar todo o conhecimento adquirido durante o processo e as fundamentações pessoais e científicas (ou a ausência delas em alguns momentos) que o levaram a mudar de opinião sem o envolvimento de uma religião em particular. Sua análise é muito básica e simplista. Tão básica e simplista quanto a de um religioso que apenas repete fórmulas prontas sem um verdadeiro exame crítico do pensamento.

    ResponderEliminar
  5. Mas o Livre-Arbítrio é uma ilusão! Sim, nós estamos predestinados.

    ResponderEliminar
  6. Sr. Ateu, é muito difícil aceitar que um cientista brilhante seja deísta?
    Quanto a isto que vc escreveu: "Uma outra questao seria porquê Deus, na sua infinita sabedoria, poder e amor, iria escolher um processo tão lento e destrutivo como a evolução para trazer a vida. Teríamos de supor que Deus sentou-se com os braços cruzados por cerca de 10 bilhões de anos antes que a vida finalmente começasse e depois esperou por mais 4000000000 anos até que os seres humanos começassem a evoluir"
    --Deus tem o Seu Plano para justificar os seres que criou, seja em qquer momento nestes 4000000000... anos.
    Paz & Bem para você.

    ResponderEliminar