sábado, 30 de janeiro de 2010

As origens das nossas diferenças

Não sei se alguém já terá lido o livro “Porque os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?-uma visão científica (e bem humorada) das nossas diferenças”, da autoria de Alan e Barbara Pease? Eu muitas vezes digo que a evolução dá respostas muito elegantes a muitas perguntas. Acho que todos concordam que apesar de sermos da mesma espécie, homens e mulheres parecem viver em mundos diferentes, literalmente. Isso porque os cérebros masculino e feminino evoluíram com potência, capacidades e talentos diversos para desempenhar funções completamente diferentes.


A brincar e brincar o livro encontra respostas bem divertidas e fundamentadas (e com dados científicos) para explicar as diferenças entre homem e mulher, aí vão alguns exemplos:

Porque as mulheres têm uma visão periférica mais ampla (pode echegar a 180 graus) que os homens, que têm visão do tipo "túnel"?

Desde os nossos primeiros ancestrais, as fêmeas como guardiãs da prole, tinham que ter o cérebro pronto para perceber um campo visual que lhes permitisse perceber algum predador se aproximando e perceber pequenas mudanças no comportamento de sua prole, que poderiam indicar dor, fome, doença, agressividade ou tristeza. Os olhos do homem configurado para uma visão a longa distância, do tipo "túnel", que o faz enxergar claramente em frente até muito longe, como se usasse binóculos. Como caçador, o homem precisava ser capaz de identificar e perseguir alvos distantes.

Porquê os homens têm a pele tão grossa?

A pele do homem é mais grossa do que a mulher. No homem a pele das costas é 4X mais grossa que na barriga. Quando os rapazes atingem a puberdade já perderam parte de sua sensiblidade ao toque: É simplesmente o corpo se preparando para a os rigores da caça. Os nossos ancestrais precisavam ter uma pele menos sensível para poder correr entre plantas cheias de espinhos e entrar em luta corporal com animais e inimigos sem que a dor o incomodasse.

Como o homem actual defende o território?

Já aconteceu convosco ou já reparam que a maioria dos homens nos restaurantes prefere sentar de costas para a parede, de frente para a entrada? Assim se sentem confortáveis, seguros e ficam alertas pois assim não é provável que alguém esteja observando escondido ou algo parecido. Em casa, os homens agem igualmente por instinto: escolhem o lado da cama mais próximo da porta do quarto.
Reparem como o cérebro do homem é estruturado para escutar sons associados a movimentos (passos ou galhos quebrando ou outros sons vindos de fora e casa). Ele acorda em uma fracção de segundo (pra defender a família de um possível ataque). Mas por outro lado não é capaz de acordar com o choro do bebé!!!

Estes são exemplos de instintos que vêm desde os tempos da caverna, em que tinhamos que estar alertas e preparados para tudo, sempre com a atenção voltada para o que se passava em torno, visando à defesa do território, enfrentando as mais variadas ameaças à sobrevivência.


São muitas perguntas com respostas bem interessantes, se pudesse postava o livro todo!!!. Mas não há espaço pra mais. Se é pra levar a sério ou não? não sei, mas do ponto de vista evolutivo faz sentido!

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

“A partícula de Deus”

Desde os tempos antigos que o homem usa Deus para explicar o imcompreensível/desconhecido. Sempre foi e sempre será assim, é o chamado Deus-tapa buracos. Com o avanço da ciência muitas perguntas vêm sendo respondidas e Deus é cada vez menos explicação para coisa alguma no mundo natural.

O Modelo Padrão, que é a teoria básica da Física, explica a interação de todas as partículas subatômicas e toda a nossa ciência e tecnologia foram criadas a partir desse modelo. Contudo, o modelo padrão não consegue ainda explicar a origem da massa. Para responder a essa pergunta, os cientistas apostam no bosão de Higgs, também chamada “partícula de Deus". Os bosões são um de 16 tipos de partículas que constituem o atómo e o bosão de Higgs é a única partícula do modelo padrão que é prevista mas ainda não foi observada, mas representa a chave para explicar a origem da massa das outras partículas elementares.

Para isolar o bosão de higgs, os cientistas do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) criaram o Grande Colisor de Hadrons (LHC) ou vulgarmente chamada “máquina do Big Bang”. É certamente o projecto científico mais ambicioso de sempre, custou 8 bilhões de dólares, tem 27 km de circunferência num túnel 100 metros abaixo da superfície da terra na fronteira entre a Suíça/França e vários milhares de cientistas de todo o mundo envolvidos (fotos de algumas partes do LHC abaixo). A idéia é acelerar feixes de protões em direcções opostas e quando tiverem atingindo a velocidade maxima (99.99% da velocidade da luz) colidi-los. Prevê-se que o impacto produza condições próximas às que existiram um bilionésimo de segundo (numericamente é 0,000 000 001 s) após o Big Bang, gerando um sem-número de partículas elementares.

O início desta experiência estava previsto para Setembro de 2008 mas devido a uma avaria só em 20 de Novembro de 2009 o LHC foi ligado, e poucos dias depois estabeleceu um novo recorde, ao acelerar partículas ao nível de energia mais alto registrado na história.

No meio de tudo isto, outros seres humanos dotados de uma super-inteligência mal aproveitada, resolveram embaçar e criar um verdadeiro pânico entre os leigos, como eu e muitas outras pessoas. Essas individualidades simplesmente entraram na justiça para tentar proibir que o LHC entrasse em funcionamento alegando que isso poderia causar o fim do mundo. Por outro lado, vários cientístas do CERN receberam telefonemas e emails com ameaças, inclusive às suas vidas, caso não desistissem de ligar o equipamento. Dá pra acreditar?

Enfim, em dois ou três anos saberemos se a teoria está correcta ou não. Ou, talvez, nos depararemos com um mundo todo novo, que exigirá novas teorias, novos equipamentos e novas descobertas.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Súplica Cearense

Uma música com letra interessante, da banda brasileira “O Rappa”.

Oh! Deus,
perdoe esse pobre coitado,
que de joelhos rezou um bocado,
pedindo pra chuva cair,
cair sem parar.

Oh! Deus,
será que o senhor se zangou,
e é só por isso que o sol se arretirou,
fazendo cair toda chuva que há.


Oh! Senhor,
pedi pro sol se esconder um pouquinho,
pedi pra chover,
mas chover de mansinho,
pra ver se nascia uma planta,
uma planta no chão.


Oh! Meu Deus,
se eu não rezei direito,
a culpa é do sujeito,
desse pobre que nem sabe fazer a oração.


Meu Deus,
perdoe encher meus olhos d'água,
e ter-lhe pedido cheio de mágoa,
pro sol inclemente,
se arretirar, retirar.

Desculpe, pedir a toda hora,
pra chegar o inverno e agora,
o inferno queima o meu humilde Ceará.


Violência demais,
chuva não tem mais,
corrupto demais,
política demais,
tristeza demais.
O interesse tem demais!

Violência demais,
fome demais,
falta demais,
promessa demais,
seca demais,
chuva não tem mais!

Oh! Deus.
Oh! Deus.
Só se tiver Deus.
Oh! Deus.
Oh! fome.
Oh! interesse demais,
falta demais...!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

A crença na crença

Imagine a seguinte parábobola: Um homem vem ter contigo e diz "Há um dragão na minha garagem". Fascinante! E tu pedes para ver tal dragão e o homem responde “é um dragão invisível”.
Bom, a hipótese continua testável, pois podiamos ir a garagem, e apesar de não vermos o dragão, tentar ouvir uma respiração pesada vindo de fonte não identificável, ver pegadas aparecendo misteriosamente no chão e usar aparelhos para medir o consumo de oxigénio e libertação de dióxido de carbono na garagem.

Então tu dizes ao homem “tudo bem, eu vou a garagem e tentar ouvir alguma respiração de fonte não identificável” e ele prontamente diz “não , é um dragão inaudível”. Te propões a medir níveis de dióxido de carbono no ar e o nosso companheiro diz "o dragão não respira".

Carl Sagan usou esta parábola para ilustrar o quão hipóteses pobres necessitam de “gincanas” rápidas para evitar a testabilidade. Ora bem, o homem já tem um "modelo de fuga" bem preciso da situação na sua mente. A grande questão é, será que ele realmente acredita que há um dragão na sua garagem? Reparem que ele NÃO ESPERA ver o dragão ao abrir a porta da garajem, por isso inventa todo o tipo de desculpas para evitar qualquer testabilidade da sua alegação. Normalmente, se alguém acredita que há um dragão na garagem, essa pessoa espera ver tal criatura assim que abrir a porta da garagem. Caso não haja dragão ao abrir a porta isso significa que não há dragão na garagem. Bastante simples, funciona como “tiro e queda”.

No caso do nosso personagem, é como se ele antecipasse que não há dragão na garagem mas ao mesmo tempo inventa desculpas para defender a sua crença de que existe um dragão na garagem-crença na crença. O termo crença na crença foi proposto pelo filósofo americano Dan Dennett no seu livro “Breaking the spell, religion as natural phenomenom”. Cremos porque queremos crer. A verdade “verdadeira” não tem apelo, só aquela que fabricamos. Isto nasce da profunda necessidade de crermos em algo, independentemente desse algo ser verdade ou não.

Vejam um caso flagrante descrito pelo céptico norte-americano Michael Schermer que desmascarou um suposto paranormal que se comunicava com mortos e mandava mensagens para seus familiares. No fim de uma sessão paranormal, Schermer subiu ao palco e mostrou como a performance tinha sido uma fraude do início ao fim. A platéia não reagiu no início. Depois vaiou . Depois quis agredí-lo (incrível hein?). Schermer teve de sair protegido . Uma senhora aproximou-se dele e disse:” pode ser falso, mas se não acreditarmos nisso acreditaremos em quê?

Tem mais: no seu livro “Why Darwinism is True” -Jerry Coyne fala da mesam coisa. Coyne é um especialista em evolução das espécies e autor de um excelente livro sobre o tema. Seu livro traz provas cabais, irrefutáveis, definitivas, avassaladoras- da verdade da evolução. Ele conta que em suas palestras (para gente auto-intitulada ” sofisticada”) alguém sempre se aproxima dele no final com o mesmo papo:”Parabéns.Suas evidências são realmente irrefutáveis ,mas eu prefiro continuar com minha visão de que o mundo e as criaturas são obra de um Deus que seguiu um plano em sete dias”. Ou seja :”eu quero crer na minha crença, não me amole com a verdade“.

Isto é o que acontece certamente com a maioria dos religiosos! Provavelmente não acreditam em Deus, eles foram condicionados a acreditar que a fé é uma virtude e que alguém que acredita em deus é necessariamente melhor que alguém que não têm crença em Deus. Sinceramente agora entendo o porquê de quando eu perguntava a alguns amigos meus porquê acreditavam em Deus apenas encolhiam os ombros. Subentendo agora que a resposta seria “porque devo/é bom/é moral”. Fascinante!

Pergunta do dia:
Porque Deus possui quase todas as características de algo que não existe??
Por exemplo: imaterial, invisível, indetectável, etc…

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Sinceramente...



Vêm a foto da mensagem acima? Há gente com fé, sinceramente. O bilhete veio em envelope selado e aparentemente foi entregue em todas as caixas de correio da minha rua. Tá tudo a ficar maluco ou quê? Gastar tinta, papel, tempo e …claro a minha paciência!


domingo, 17 de janeiro de 2010

Aí está, tem tudo uma explicação!

Morreram mais de cem mil pessoas no terramoto do Haiti. Não queria usar essa trágedia para reforçar minha argumentação ideológica, mas há gente que não dá escolha. Voltando ao sismo, sabem porquê aconteceu? Porque os Haitianos fizeram um pacto com o diabo em 1804. Segundo tal pacto, o diabo os libertaria do domínio Francês e eles o serviriam para sempre. Estas são declarações do mediático evangelista americano Pat Robertson em seu programa de TV.

Nada mais estúpido de se dizer, não acham?

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Juro que tentei…



De que depende o surgimento da fé no homem? Há muitas teorias e inclusive já foi identificado um gene que predispõe algumas pessoas a acreditarem mais em deus do que outras. Como já devem ter percebido, eu definitivamente não tenho esse gene ou se tenho está num estado dormente. Por outro lado a doutrinação e lavagem cerebral a que somos expostos desde pequenos também parece ter uma grande influência. Comigo isso também não funcionou. Meu avó paterno era pastor na Igreja Presbiteriana, minha avó materna é extremamente religiosa e uma pregadora nata. Desse modo, desde pequenino não tinha como escapar da igreja, e juro por Deus, eu ia mas em nenhum momento acreditei nas fábulas histórias que ouvia da biblía. Só sentia um arrepio quando imaginava o quão horrível deveria ser o inferno e o seu inventor.

Depois da atingir a idade adulta lá tentei de novo…foi um bocadito melhor, e duro também porque domingo cedinho a ressaca estava no pico e não via a hora de a missa acabar. Foi melhor no sentido de que já não foi por obrigação e confesso que enquanto estava dentro da igreja aquele sentimento de medo do incerto tomava conta de mim. Nunca passou disso, é como ir a um funeral: lembra-nos que a vida é trágica e num abrir de olhos esfuma-se. Nesse intervalo de lucidez pensamos e repensamos em todas as coisas que fizemos, que faremos, fazemos montes de promessas e pedimos muitos “perdões”. Feliz ou infelizmente retomamos a nossa vida normal e deixamos os medos de lado.

Eu tentei, sério, acreditar que existe algum Deus que olha por mim, que gere um plano detalhado de vida para mim, minha família e amigos e que apesar de todos muitos pesares ele tem a situação sob controle. Tentei acreditar que ele encontra-se em todo lugar, a toda a hora e controla os nossos pensamentos e acções através de um botãozinho.

Seria de facto fascinante se o Universo tivesse um propósito; seria provavelmente prazeroso haver vida após a morte. Porém, não há um só pedacinho de evidência em favor de nenhuma das duas especulações. Como é fácil de compreender por que as pessoas anseiam por um propósito cósmico e vida eterna, e não existe evidência para ambos, me parece uma conclusão inescapável que nenhum dos dois existe. Realmente seria óptimo se todos nós fôssemos tão especiais quanto gostaríamos de ser, mas o facto é que não temos motivos para acreditar que somos. Novamente, é a integridade intelectual que nos impede de acreditar em algo infundado somente porque é confortante. Tenho de confessar que no início era duro, muito duro acreditem, aceitar que o mundo era como era: cruel, egoísta, onde os fracos simplesmente não sobrevivem e a vida acaba com a morte. Mas sobrevivi e talvez algum dia quando os meus medos regressarem eu volte a procurar Deus. Porque Deus é isso mesmo: produto dos nossos medos, incertezas, ânsias, vazio e desejos!

P.S. Gostaria de ouvir de vocês, quer ateus ou crentes quais as bases de vossas convicções. Desde quando são crentes ou ateus? Se sempre acreditaram ou não?o que os fez mudar de idéias? E.t.c

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

sábado, 9 de janeiro de 2010

Fim do mundo: 21 de Dezembro 2012



Esta é data estabelecida para o fim do mundo pela civilização Maia, que viveu 1800 a.C. e 1450 d.C na América do do Sul e Central. Os Maias são reconhecidos por seu avançado conhecimento de astronomia e pela precisão de seus diferentes calendários, como o calendário anual, solar, com 365 dias, chamado Haab. Outro destes calendários, o de 'Longa Contagem', foi desenvolvido para computar extensos períodos de tempo ou ciclos, de 5.125 anos. É com base neste ultimo calendário que os astrônomos desta singular cultura pré-colombiana previram para 2012 atividades cósmicas impactantes para o planeta Terra. Nesta época, o Sol deverá sofrer violentas tempestades emitindo poderosas chamas e partículas cuja potência alcançará o nosso planeta causando o colapso de campos magnéticos que certamente produzirão danos nos satélites e outros dispositivos eletrônicos.

Esta profecia têm alguma base científica e a violenta atividade solar prevista pelos Maias é confirmada por astrofísicos, não obstante, negam que tal acontecimento possa significar algum tipo de fim do mundo. Segundo os cientistas, as tempestades solares intensas que, de fato, são periódicas, estão previstas para acontecer entre 2011 e 2012. Estas explosões libertam energia de até 100 bilhões de vezes a bomba atômica lançada sobre Hiroshima na II Guerra Mundial. Como disse anteriorimente, NÃO HAVERÁ FIM DO MUNDO, mas os modernos sistemas de comunicação, tais como TV a cabo e aparelhos celulares, que operaram por sinais de satélites, poderão sofrer interferências no seu funcionamento. Exemplos recentes incluem a tempestade solar ocorrida em 1989 que atingiu o Canadá deixando quase seis milhões de canadianos sem energia elétrica (o fluxo magnético vindo do sol pode provocar fortes ondas de descarga elétrica nos cabos de transmissão de força, causando curto-circuitos e queimando equipamentos). No ano 2000, o satélite brasileiro Brasilsat sofreu interrupções em seu funcionamento devido a uma forte tempestade solar.


Apesar dos esforços dos cientistas para tranquilizar as pessoas, a desinformação continua e a febre é quase geral. A NASA tem recebido milhares de chamadas de gente que quer esclarecimentos. Mas por incrível que pareça, foi criado um site “pirata” da NASA que suporta a idéia do fim do mundo em 2012 e por outro lado, a NASA é muitas vezes acusada de sonegar informação. Simplesmente ridículo, patético.
Como sempre digo, não basta “ler na internet”, é preciso ter cuidado com as nossas fontes de informação pois anda por aí muita conspiração.

Anyway, no caso de os cientistas estarem errados e os maias certos, ainda falta “muito tempo” para 21 de Dezembro de 2012.

A vida ainda é bela!!

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Reflectindo sobre a teoria da evolução (fim)

Depois de ter apresentado alguns dados (parte 1,parte 2,) em volta da teoria da evolução espero ter acrescentado nova "bagagem" de conhecimento aos leitores menos informados. Muitos dos que discordam da teoria de Darwin o fazem simplesmente por desconhecerem os factos, fundamentos e pressupostos da Teoria da Evolução. Ao escrever “Reflectindo sobre a teoria da evolução” o meu objectivo não era a catequização, doutrinação ou algo parecido, mas sim dar razões coerentes aos caros leitores para aceitarem ou negarem a teoria da evolução. Para que deixem de usar a frase “…porque eu não vim do macaco” para negar a evolução. Eu tenho as minhas objeções e dúvidas sobre a evolução pois além de não explicar tudo tem algumas incoerências.

Mas com base em tudo sabemos hoje, a teoria da evolução continua a ser a melhor explicação para a diversidade da vida na terra, e o faz de maneira elegante e lógica sem precisar da poderosa “mão de deus”.

"Existem muitas hipóteses em ciência que estão erradas. Isso é perfeitamente aceitável, eles são a abertura para achar as que estão certas." [ Carl Sagan ]

De volta

Alô pessoal, desculpem a paragem mas as férias estavam realmente doces…alcool, drogas, sexo e rock n roll…lol. A actividade vai recomeçar aqui no blog. Bom ano de 2010 para todos, muita saúde, amor, amizade, dinheiro e claro…FÉ.